Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog recolhe e organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog recolhe e organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Visto de cima - Concentrador Solar Gemasolar em Sevilha

Mäyjo, 13.06.18

Gemasolar_Thermosolar_Plant_reduced.jpg

O Concentrador Solar Gemasolar em Sevilha, Espanha, têm 2650 espelhos heliostáticos que concentram a energia térmica do sol para aquecer o sal derretido que flui através de uma torre central de 140 metros.

O sal fundido circula então da torre para um tanque de armazenamento, onde é usado para produzir vapor e gerar eletricidade.

No total, a instalação substitui aproximadamente 30000 toneladas de emissões de dióxido de carbono por ano.

 

Fonte da imagem: DigitalGlobe

Construção do Projeto de Energia Solar das Dunas Crescent

Mäyjo, 17.04.17

Construção do Projeto de Energia Solar das Dunas Crescent.jpg

Tonopah, Nevada, EUA

38°14′N 117°22′W

 

O projeto da energia solar das dunas crescentes está em construção perto de Tonopah, Nevada.

Uma vez concluído, ele alimentará até 75 mil casas durante períodos de pico de energia elétrica.

Como isso funciona? O projeto utilizará 17.500 espelhos heliostáticos para coletar e focar a energia térmica do sol para aquecer o sal derretido que flui através de uma torre de energia solar de 540 pés (160 m) de altura. O sal fundido então circula da torre para um depósito

 

 

...

Mäyjo, 03.05.15

Desert Sunlight Solar Farm

California, USA.jpg

Desert Center, California, USA

33°49′30″N 115°23′30″W

 

O Sunlight Desert Solar Farm é uma central fotovoltaica localizada no deserto do Mojave, na Califórnia.

Cobrindo 16 quilómetros quadrados, com 8,8 milhões de módulos solares Telluride de cádmio, é a maior "fazenda" de energia solar fotovoltaica do mundo.

 

PREÇO DO PETRÓLEO DESCE MAS RENOVÁVEIS CONTINUAM A SER MAIS BARATAS

Mäyjo, 01.04.15

eolica_SAPO

O preço do barril de crude caiu já 60% desde Junho do último ano e os analistas indicam mesmo que petróleo pode chegar aos 30 dólares. Ainda assim o custo do “ouro negro” continua a ser mais elevado que as energias renováveis.

Um novo relatório da International Renewable Energy Agency (IRENA) indica que a energia renovável é altamente competitiva por comparação aos combustíveis fósseis, com excepção da energia solar. O documento revela que a energia eólica fora da costa em larga escala, a biomassa, a energia hídrica e geotermal estão altamente classificadas em termos de acessibilidade.

Embora os preços da energia solar não sejam tão competitivos como os das restantes energias renováveis, o custo do equipamento e instalação tem vindo a diminuir ao longo do tempo e é já bastante mais barato que há uma década. O relatório da IRENA revela que os custos da energia solar diminuíram 80% desde 2008.

“A energia eólica terrestre é uma das fontes de electricidade disponíveis mais competitivas. Os avanços tecnológicos, que ocorrem ao mesmo tempo que os custos instalados diminuem, indicam que o custo nivelado da energia do vento em terra está agora dentro da mesma gama de preços, ou até mais barata, que os combustíveis fósseis”, lê-se no relatório, cita o Inhabitat.

Mesmo que os preços do petróleo continuem a diminuir, a IRENA antevê que o custo da energia eólica em terra continue a diminuir, tornando-a numa alternativa competitiva ao crude.

O preço do barril de crude tem sido negociado nos últimos dias, nomeadamente em Londres e Nova Iorque, na casa dos 45-50 dólares (€38,8-43,1). As transacções de crude têm sido influenciadas pelo aumento da oferta nos Estados Unidos e por declarações do ministro do petróleo dos Emirados Árabes Unidos, que afirma que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo está no caminho certo, ao optar por não reduzir a produção.

Foto:  x3.wolfgang / Creative Commons

Portugal quer exportar energia renovável para a União Europeia

Mäyjo, 09.12.14

Portugal quer exportar energia renovável para a União Europeia

A União Europeia (UE) não deverá conseguir atingir as metas de clima e energia definidas até 2030 a custos que sejam suportáveis para os consumidores, a menos que compre energia renovável a Portugal e Espanha. Estes países são dos mais abundantes em vento e sol da UE e, como tal, são os locais mais baratos para produzir energia renovável.

Baseado neste pressuposto, o Governo de Portugal enviou uma proposta inédita para Comissão Europeia: a exportação de energia renovável para o espaço comunitário. Na semana passada, o ministro do Ambiente e da Energia, Jorge Moreira da Silva, enviou uma carta para os comissários europeus onde propõe uma meta vinculativa de 25% de capacidade de interligação das redes eléctricas entre os Estados-membros até 2030.

“É um assunto prioritário”, afirma o ministro. Dada a “necessidade de transferência física, entre Estados-membros, da electrificação produzida por fontes renováveis” a custos eficientes, acrescenta Moreira da Silva na carta citada pelo Público.

A discussão sobre a quantidade a ambição das metas vinculativas do novo pacote de clima e energia – redução das emissões de dióxido de carbono, consumo de energia de fontes renováveis e eficiência energética -, que vão de 35% a 40%, têm dividido os países e a Comissão. O Reino Unido e a Polónia são alguns dos países que defendem apenas uma meta, de maneira a terem margem de manobra para explorar carvão e gás de xisto, com adição de os britânicos consideram que as novas linhas de muito alta tensão vão encarecer a electricidade.

Às três metas Portugal quer acrescentar a capacidade de interligação eléctrica, quer ver definida em 25%, para que as interligações deixem de ser uma preocupação exclusiva da Península Ibérica e passem a ser de âmbito comunitário.

Foto:  Diogo O. (TheRocky41) / Creative Commons